SÍNDROME DO RADIOAMADOR

Doença rara que acomete uma pequena parcela da população mundial.

Costuma ser contagiosa ao primeiro contato com ondas de RF e é incurável, tendo apenas pequenos momentos de diminuição da sintomática ao longo da vida, aumentando à medida que novas células DXCC vão se multiplicando.

A alopatia atualizada indica tratamento tópico, com moderadas a altas doses de CW, intercalando com SSB. Em alguns casos, a depender da situação do paciente, a fim de evitar que ele tenha uma crise de abstinência, recomenda-se o uso de rádios de QRP em locais públicos (preferencialmente próximo de parques ou até mesmo estacionamentos), ou restrito, no caso, em enfermaria (leia-se SHACK).

No pior dos casos (naqueles em que ele fica irrequieto, suarento e trêmulo, a simples exposição a uma antena já resolve a crise aguda).

A longa exposição às ondas de RF e ao áudio do bacilo do CW podem causar stress nos ouvidos, dedos indicador, polegar e pulso, ligeira dor nas costas na altura da lombar, mas nada que uma pequena dose de descanso (cerca de 1h30min a cada 6h de operação) não restabeleçam a saúde do paciente.

A alteração de bandas também ajuda na fixação da síndrome que, geralmente se agrava quando o paciente passa de 100

países trabalhados e se chega a mais de 200 países e pelo menos 99 células DXCC confirmadas pelos QSL's e pela planilha de log, que deverá ser vista e revista diariamente e acompanhar o paciente enquanto estiver no leito (leia-se Shack).

Em alguns casos, a depender da recomendação médica e do perfil sintomático do paciente, recomenda-se o uso de QRP em ambiente externo, quando dentro da enfermaria não for possível ou estiver abafado.

Se houver a possibilidade da extensão de cabos e antenas novas que aumentem substancialmente a camada de RX sobre o corpo e as células do paciente, melhor ainda, pois assim a doença tende a evoluir.

O uso de PC (desktop ou notebook) é acessório indispensável no processo de aumento da carga de células DXCCs, porque facilita a busca de platelmintos raros e ajuda na propagação do prefixo do seu titular (leia-se DNA do portador da S.R.A.) intensificar o trabalho de ingestão de CW, SSB ou modos digitais...

Para CW, doses de 30ppm em QSO's com rate de 15 a 20 QSO/min. Se SSB, doses de pile-up com rate de 20 a 30 QSO/min. Para modos digitais, basta dar F1, F2, F3 e F4 para o sistema de automação ministrar as dosagens corretas de RF na veia do paciente.

Todas essas indicações serão ministradas emeventuais DXpeditions, Contestes ou Field-days. Na eventual sobredose, recomenda-se uma xícara de café e uma esticada no sofá.

Red Bull é indicado nos casos de Long Hauls. Não foram relatados efeitos colaterais.

Apenas sorrisos como sintoma principal após um RST 457 de um P5...

73!

"O Radioamadorismo é a ponte que une a humanidade..."